Mauricéia e o peso de um talão de cheque assinado com folhas em branco

Mauricéia e o peso de um talão de cheque assinado com folhas em branco

Ainda repercute nas redes sociais e nos grupos de WhatsApp, o recuo da Secretária de Turismo de Guamaré, Mauricéia Cavalcante a convocação da Câmara Municipal, em atendimento ao requerimento do vereador da oposição, Gustavo Santiago (SD), para prestar esclarecimentos acerca do orçamento anual de sua pasta, estimado em R$ 4,4 milhões.

Na sessão ordinária da última terça-feira (28), o vereador Gustavo voltou a falar sobre o assunto: “Toda vez que for convocado um secretário de governo para prestar esclarecimentos à Câmara, e por maioria dos votos, esse requerimento for vencido, o Legislativo estará deixando a população sem conhecimento do está sendo feito com o dinheiro público destinado as secretarias”.

Gustavo também ressaltou que estava amparo pelo Regimento Interno da casa e pela Lei Orgânica do Município, ao declarar em seguida: “Vou convocar um Secretário toda semana, se houver essa necessidade, mesmo que eu seja voto vencido novamente. Assim, estarei cumprindo o meu papel de representante do povo e fiscalizador do dinheiro público”.

Quanto à manobra para a Secretária Mauricélia não comparecer à Câmara Municipal, em muito se admira alguns funcionários públicos que trabalham com ela na pasta de Turismo e até colegas secretários da gestão municipal. Segundo uma pessoa que o Blog conversou, quando tomou conhecimento do requerimento de Gustavo, a gestora teria dito que estava esperando por esta oportunidade e que nada teria a esconder sobre esse orçamento de quase R$ 5 milhões.

O certo é que a pasta do Turismo não deslancha, vive a luz da política do pão e circo, mesmo com a Secretária Mauriceia arrotando grandes investimentos e o crescimento do turismo local na mídia estadual, quando na verdade, ela não tem quase nada de concreto a apresentar. Guamaré atualmente não recebe sequer uma Van com turistas por semana para tomar um banho de mar e comer aqui, nem que seja um prato de tainha com tapioca ou degustar um bom camarão nas barracas do Amaro.

Também em Guamaré não se vê uma única ação de empreendedorismo local, desencadeada pela pasta de Turismo, que gere renda, muito pelo contrário, a maioria dos negócios da Secretária de Turismo ao que parece, são fechados a quilômetros daqui, os eventos já chegam prontos, deixando o povo da cidade apenas com um lugar na plateia e a missão de bater palmas.

O Turismo oficial do governo a tempos, e não de agora, corre solto e desarticulado com a cadeia produtiva da cidade. Mauriceia parece também que não gosta de fazer negócios e parcerias com os colegas que ocupam as secretarias de governo. Uma prática que também não combina com o estilo do prefeito Adriano Diógenes de trabalhar.

Voltando ao episódio da Câmara Municipal, conhecendo o prefeito Adriano, que quando esteve Secretário de Saúde atendia bem quem o procurava, fosse os servidores da pasta ou a população, e que nunca também se omitiu a prestar contas do seu exemplar trabalho, na Câmara Municipal ou até ao Ministério Público, me custa muito acreditar, que o prefeito teve conhecimento da forma como o requerimento do vereador Gustavo foi tratado pela bancada governista.

E cá pra nós:

Se Mauricéia diz que tá pronta para abrir a caixa preta e apontar os gastos de cada centavo da sua pasta, quem teria falado por ela e livrado a sua pele na Câmara Municipal?

Sei que, com essa decisão da maioria dos vereadores, a Secretária de Turismo poderá ser vista de agora em diante pela população como uma gerente que tem em mãos um talão de cheque assinado de uma conta milionária, mas com folhas em branco.

Oremos!!!

(Visited 549 times, 1 visits today)