sss-2
ferragens-pai-e-filhos
jm-variedades
redecon 2
Banner-Blog-Guamare-em-dia---1140x140px
Banner-Blog-Guamare-em-dia---1140x140px
Há um cavalo de Tróia dentro do governo em Guamaré

Há um cavalo de Tróia dentro do governo em Guamaré

Conta a historia que Páris filho do rei de Tróia que raptou Helena, a rainha de uma cidade grega chamada Esparta. Entre os gregos, tinha um velho conhecido por Ulisses, que bolou um plano de ataque, que se desse certo decidiria a guerra.

Foi então que ele mandou construir um imenso cavalo de madeira, e se escondeu em sua barriga junto com alguns guerreiros dispostos a vencer a qualquer custo, mesmo arriscando suas próprias vidas.

Estrategicamente, o exército grego deixou o cavalo construído de madeira em frente à porta da entrada da cidade de Tróia, e começaram a se retirar.

Os troianos acharam que os gregos tinham desistido da guerra, e que o cavalo era um presente para eles, portanto, decidiram trazer o bicho para dentro da cidade.

Como era muito grande, chegaram a derrubar uma parte da muralha para poder entrar.

Mas mal sabiam eles que o plano de infiltrar os gregos dentro do governo de Tróia seria perfeito para vencer a guerra. Por isso, até hoje, um presente que ninguém quer ganhar é chamado de “presente de grego”.

Pois bem…

Qualquer semelhança da história de Tróia é uma mera coincidência do atual cenário político administrativo de Guamaré. O resultado da última eleição para prefeito e vereadores nos ensina uma rica lição de uma guerra politica movida por estratégias.

A maioria do povo decidiu nas urnas eleger, Hélio Willamy (MDB), como prefeito da cidade, o povo escolheu nas urnas o filho de Mundinho mesmo estando com seu registro indeferido.

Ele fez uma campanha duríssima, onde precisou enfrentar uma oposição dentro do próprio grupo político, hoje se encontra sub judice.

Eudes assume a prefeitura

Enquanto isto, a maioria dos onze vereadores elegeu no dia 1º de janeiro de 2021 no voto, o vereador Eudes Miranda (MDB), para presidente do legislativo, e com a vacância do cargo de Prefeito, ele assumiu a chefia do poder executivo interinamente.

Com a experiência de gestão por ter sido duas vezes presidente da câmara, e por ser irmão do ex-prefeito Hélio Willamy. Eudes iniciou seu governo reunindo toda equipe, e pediu empenho de todos para governar com o povo e para o povo.

Novas eleições à vista

De logo, tomou para si a responsabilidade de governar o município até sair à decisão final do TSE. Se o tribunal não reconhecer o direito de Hélio, haverá novas eleições no município, levando os mesmos eleitores a voltar às urnas novamente para eleger um novo prefeito neste curto espaço de tempo.

Logo na primeira semana de governo, o prefeito interino Eudes Miranda, deu início às nomeações e contratações, desagradando a uns e agradando a outros. O prefeito é consciente de toda e qualquer decisão que é tomada, porque antes de assinar qualquer documento público, ele ler cuidadosamente.

Eudes se entendeu com os vereadores da base para dar sustentação ao governo. Sentou na cadeira de prefeito com a caneta cheia de tinta, e com a vontade e a coragem de acertar e governar para o povo, mesmo sabendo que não seria fácil.

Com 45 dias a frente da prefeitura completado hoje, há quem afirme que o prefeito está sendo muito mal assessorado juridicamente por causa de algumas decisões. Eu particularmente acredito que não.

Eudes Miranda não é prefeito de fato da cidade, é por força de uma vacância, se fosse de fato o chefe do executivo por direito, o galego governaria do seu jeito. Talvez estilo do governo Presidente Jair Messias Bolsonaro.

Um novo momento

Vejo por um ângulo diferente caso haja de fato uma nova eleição suplementar no município, pois se trata de um novo momento, como prova os números e os acontecimentos das eleições anteriores.

O governo ganhou as últimas quatro eleições para o candidato da oposição, Mozaniel Rodrigues (SD), filho do saudoso João Pedro Filho, que sempre teve ao seu lado, o fiel escudeiro, o vereador Gustavo Santiago, que é seu cunhado.

Gustavo é um político bem articulado e inteligente, um cara que sabe fazer política de seu jeito sem alarmes. Sabe jogar dentro e fora de campo em duas posições, na defesa e no ataque.

Últimos resultados

2012    Hélio        4.879       Mozaniel 4.685 – Diferença:  194

2016    Hélio        6.249       Mozaniel 5.294 – Diferença:  955

2018    Adriano   6.176       Mozaniel 5.604 – Diferença:  572 – Suplementar

2020    Hélio        6.347       Mozaniel 5.897 – Diferença:  450

A coligação “Esperança Renovada” na última eleição obteve 8.342 votos (66,96%), ou seja, quase 2 mil eleitores votaram nos vereadores da coligação do MDB, mas não votaram no prefeito Hélio Willamy, que obteve nas urnas apenas 6.347 votos, quando poderia ter obtido 8.342 votos.

De uma coisa é fato…

A oposição tem em média 5 mil votos no bolso guardados, sendo que quase metade  destes votos são obtidos em cada eleição de dentro do próprio governo. Os gregos são bons estrategistas. E estão, cada vez mais, ganhando espaço dentro da gestão ao longo desses anos.

Talvez para muitos essa desigualdade de votos para a majoritária da coligação, não faça alguma diferença para o atual governo, mas quando se trata da política de um município tão pequeno como Guamaré, este número faz grande falta sim na somatória da tabuada de somar e multiplicar.

Acreditem se quiser…

A maioria dessas pessoas que não votaram no governo, e outros de fora que não contribuem em nada na somatória de votos, continua trabalhando dentro do próprio sistema. E usando esse espaço que seria de Tróia, a favor dos gregos.

Estes colocados por alguns vereadores que sustentam a base através de acordo políticos ou pressão, ou mesmo por políticos aliados que exigiram a permanência no cargo da pessoa indicada.

Excluindo aqueles que tanto lutaram na campanha e ao longo das gestões anteriores, tendo se mostrado um elo forte entre a população e o governo em tempos difíceis.

O toma lá dá cá da política precisa um dia se acabar na política e no cenário de Guamaré. Pois está levando novamente o plano de colocar o cavalo de Tróia dentro do palácio Luiz Virgílio de Brito para logo após tomar o governo.

Não estou defendendo aqui o desemprego de pessoas, longe de mim, mas além de ser adversário declaradamente, e conspirar do governo dentro do próprio sistema, ainda fica zombando dos filhos da cidade. Isto é inaceitável, é o mesmo que aplaudir o imoral.

Há quem afirme que há muitos aliados, servidores descontentes com essa guerra, sendo obrigado a conviver e a trabalhar com o inimigo íntimo ao seu lado.

Um tipo de opositor que não esconde seu partido e sua decisão de voto numa possível eleição suplementar.

São aqueles que trabalham em silêncio para diminuir, subtrair, exterminar, aniquilar, arruinar, desfazer, um governo que trabalha dia e noite para acertar.

Não é fácil ser gestor de Guamaré, há momentos que pesa uma tonelada a caneta do prefeito.

Nenhum governo pode alcançar bons resultados com a escolha da maioria (70%) do seu secretariado extremamente politico. Um governo técnico, o êxito passa a serem visíveis, os resultados pede passagem, levando o governo e a cidade a se desenvolver em tempo.

Infelizmente ainda há aqueles servidores que manda e desmanda no governo, tem mais poder do que o próprio secretário da pasta, e demostra com bastante veemência.

E às vezes age com o poder de prefeito sem alarmes, sem aparecer, e em vez de somar, acaba subtraindo levando o gestor a vendar os olhos talvez por uma questão politica.

Há ainda aqueles servidores que nem expediente estão dando nas secretarias que foram nomeados ou contratados, apadrinhado muitas vezes pelo o próprio secretário. O ponto biométrico deve valer para todos. É Lei! Não é justo ganhar o salário no final do mês sem trabalhar.

Quem vem pagando a conta sem merecer são aqueles que de fato levantaram a bandeira, foram às ruas, pediu votos, gritou e rodopiou com as músicas da campanha, participaram das caminhadas, comícios e carreatas.

Foram aqueles que discutiram e interagiu com os eleitores nas redes sociais, enfim, participou da guerra como bom soldado, e que ao final não recebeu o reconhecimento pela batalha travada e ganha.

E assim, para logo após ser vencido, humilhado, xingado e apontado pelo o próprio adversário nas ruas, nas esquinas, nas secretarias, departamentos, nas redes sociais e grupos de whats app.

Como disse um participante no grupo do Blog Guamaré em Dia recentemente “Eu disse a vocês bando de bestas, que meu vereador iria me deixar no meu trabalho, sou Laranja e nunca vou deixar de ser… Engula que dói menos, eu não sou fantasma como muitos de vcs, eu trabalho, mas sou Biel, seu prefeito precisa de meu vereador, engula”. Concluiu.

Tenho absoluta certeza que se fosse o adversário que tivesse ganhado a ultima campanha, pelo pouco que o conheço, não se renderia a vereadores e políticos gananciosos.

Com uma só canetada, ele exonerava todos e começava do zero, colocando as pessoas certas no lugar certo, em especial aqueles que o ajudaram a chegar ao poder.

Todo governo tem que ter prudência e cautela, obedecer ao limite prudencial da folha de pagamento, dando a oportunidade a pessoas técnicas, em especial, aos filhos de Guamaré.

Há tantos engenheiros, arquitetos, nutricionistas, administradores, assessoria técnica, advogados, dentistas, assistente social, biólogos,  técnicos de enfermagem, enfermeiro, geólogo, dentre outros, que moram e residem aqui, votam no município, aguardando uma oportunidade de emprego. Só se compra um produto de fora quando não se tem na própria cidade.

Presente de grego

Há quem afirme que o atual prefeito Eudes Miranda recebeu um presente de grego que colocaram na porta da prefeitura, entrou sem pedir licença, sem quebrar a muralha do prédio para o cavalo entrar, e superar com estratégia a diferença de votos numa possível eleição suplementar.

Os números não mentem e tomando como base a progressão matemática, o trabalho de reverter o quadro tem que ser levado a sério para que a estratégia que culminou com uma vitória estrondosa em 2016.

Vitória essa que veio perdendo força nas eleições subsequentes não culmine numa eleição suplementar com um resultado amargo para o grupo atual que se deixou fragmentar pelas forças dos soldados infiltrados, que minaram suas forças pouco a pouco. É o retrato puro de auto sabotagem!.

A estratégia política da oposição parece que vêm surtido efeitos positivos, o cavalo de Tróia entrou no governo e nas secretarias por estratégica politica. E é sem nenhuma dúvida uma ameaça anunciada.

Certamente do jeito que se encontra o plano de Ulisses alcançará êxito, e no tempo inesperado a conta chegará para um grupo dividido, que perdeu o jeito de fazer política fortalecendo a cada dia seu próprio adversário.

Por fim,

O que não se pode é punir os mais frágeis, porém fiéis, que sofrem a injustiça muitas vezes por não se curvar na fila do excluídos, ou por falta de um padrinho político vereador com os nervos de aço.

Um padrinho que olhe para seus apadrinhados lembrando-se do trabalho realizado e não do privilégio de uns em detrimento dos seus fiéis guerreiros espartanos.

Fico aqui na torcida que o prefeito Eudes Miranda consiga governar para todos, como é a marca de seu governo. Que tenha a coragem de um guerreiro gestor de impedir que os gregos vençam os Troianos numa possível eleição suplementar, antes mesmo da grande disputa.