Luto Acadêmico: Instituto Educacional Clara Vitória sepulta o sonho de mais 200 alunos em Guamaré e região

Luto Acadêmico: Instituto Educacional Clara Vitória sepulta o sonho de mais 200 alunos em Guamaré e região

Estudantes que cursaram o curso de Administração denunciaram ao Ministério Público Estadual, no ultimo dia 27 de outubro, que foram vítimas de um GOLPE que frauda diplomas de cursos superiores após a conclusão da graduação.

O suposto crime denunciado ao MP foi praticado pelo Instituto Educacional Clara Vitória. Há quem afirme que a instituição continua aberta, e ministrando cursos normalmente como se nada estivesse acontecendo.

Prejuízo Irreparável

Os representantes da turma afirmaram em depoimento a justiça que mais de 200 alunos do município, e de cidades da Região Salineira e Mato Grande, já tiveram prejuízos por cair na ação criminosa praticada pela instituição.

Segundo levantamento feito pela comissão ouvida pela o MP. O prejuízo causado aos alunos que cursaram no Instituto Educacional Clara Vitória ultrapassa mais de meio milhão de reais.

Cursos Ofertados

Acontece que, no segundo semestre de 2014, a proprietária da Instituição Clara Vitória, Márcia Gerlane Bezerra, ofertou cursos de graduação em Pedagogia, Serviço Social, Educação Física e Administração.

A empresária apresentou-se na região com a instituição como polo de apoio á algumas faculdades de ensino superior. As aulas eram ministradas a cada 15 dias nos finais de semana em sua sede localizada no distrito de Baixa do Meio/Guamaré.

Mais Prejuízos

Em 2018, depois de formadas as primeiras turmas, a proprietária delongou mais de 1 (um) ano para então entregar o certificado de conclusão aos alunos.

Após este ato, os recém-formados foram solicitar os seus registros para serem habilitados a exercer suas profissões, foi neste momento que todos foram surpreendidos com a má notícia.

Diplomas Falsos

O fato é que, na juntada de documentos, foi observado que os alunos não tinham vínculo com a faculdade que os diplomou: Centro Universitário Claretiano.

Curiosos e aflitos, os alunos procuraram o gestor do polo da universidade em Natal/RN, onde tiveram a infeliz notícia que se tratava de documentos fraudados.

A informação recebida abriu um rombo na alma de quem sabe que precisou passar durante quatro anos para pagar as mensalidades.

Sentimento de Luto

“O sentimento é de luto, é como olhar e ver todo nosso esforço em 4 anos sendo enterrado, sem nenhum pudor”, relatou Taiane Miranda, aluna  de Administração.

“Quando eu comecei a faculdade estava cheio de planos e objetivos, hoje já quase 7 anos, eu não tenho mais idade, saúde física e mental para recomeçar”, disse inconformado o aluno de Educação Física, Doriedson Galdino.

Ministério da Educação

O MEC tem tomado uma atitude bastante ativa no combate às irregularidades e a crimes que são cometidos no ambiente da educação superior no Brasil. Sobretudo, na oferta irregular de cursos de graduação, diplomas, através de instituições que se dizem credenciadas, e na verdade não estão.

Única Esperança

A esperança dos alunos lesados está agora nas mãos do Ministério Público, onde eles denunciaram para que tome as providências cabíveis. A ação da justiça não irá ressuscitar os sonhos dos alunos, mas resgatar o prejuízo causado e amenizar o dano na alma de cada estudante.

Na ultima quinta-feira, 29 de outubro, o blog entrou em contato via whatsapp com a diretora da instituição, Márcia Gerlane Bezerra, responsável pelo Instituto Educacional Clara Vitória, para ouvir sua versão sobre o caso.

Márcia Gerlane

Por meio do telefone, ela disse ao editor que iria consultar seus advogados, e logo após mandaria a resposta para ser publicada no portal. Até hoje, estamos esperando sem êxito. Márcia Gerlane, não entrou em contato com o blog para esclarecer as acusações.

O que resta agora é aguardar a decisão da justiça, pois o prejuízo é incalculável para os alunos que estão de luto Acadêmico, causado pelo o Instituto Educacional Clara Vitória, que sepultou seus sonhos.

Nota do Blog

Juro por Deus que ainda estou sem acreditar. Aos alunos minha solidariedade, ao poder público mais rigor e fiscalização nestas instituições que entram, permanece e sai da cidade causando prejuízos irreparáveis.

O espaço continua aberto para a manifestação da diretora Márcia Gerlane, responsável pelo Instituto Educacional Clara Vitória, conforme lhe é garantida através da CF/88.

Uso como empréstimo as palavras de Dih Luz “Quando nossos sonhos são destruídos, Deus é o único que fica ali a recolher as nossas lágrimas”.

Fico aqui na torcida que tudo seja resolvido, e reparado os danos causados aos alunos, para que eles possam voltar a sonhar com uma graduação reconhecida pelo o MEC.

(Visited 434 times, 5 visits today)