“O político deve ter a sagacidade da raposa”. Disse Maquiavel

“O político deve ter a sagacidade da raposa”. Disse Maquiavel

O italiano Nicolau Maquiavel, considerado o pai da ciência politica moderna, certa vez afirmou que os “Adversários de hoje poderão ser aliados amanhã”.

Embora esta célebre citação tenha se dado no século XVI, ela é muito atual, e se enquadra perfeitamente na cíclica vida da classe politica Guamareense entre alguns políticos da nossa cidade.

A política é algo tão dinâmico que não dá para confiar 100% nos amigos, nem desconfiar 100% dos inimigos.

O que move a relação entre inimigos de hoje e aliados de amanhã, é a oração mágica aparentemente sem sujeito: “Perspectiva de Alcançar um Projeto Coletivo!”.

Quem mora e reside em Guamaré e conhece o cenário politico, bem sabe das lutas travadas por alguns “aliados e inimigos políticos” ao longo dos anos para tirar, arrancar, exterminar, desarticular a liderança politica do ex-prefeito Hélio Willamy.

Os últimos acontecimentos sobre a eleição suplementar que será realizada no próximo dia 7 de novembro, levou o cenário a se iniciar turbulento com o anúncio do candidato de Hélio, o arquiteto Arthur Teixeira.

Uns aceitaram normalmente de seguir o pedido de Hélio que teve seu direito não reconhecido, apesar de ter ganhado nas urnas. Outros “políticos” não aceitaram no primeiro momento, pois havia em questão interesses partidários em jogo.

O candidato do PSB não poderia, e jamais poderá prometer algo a seus aliados do grupo que amanhã não possa cumprir. O homem politico tem que ter palavra, e Arthur Teixeira tem!

Arthur é habilidoso, inteligente, dono de uma paciência de jó e de um carisma que não se mede. Filho do ex-prefeito Auricelio Teixeira, e sobrinho de Hélio Willamy e Eudes Miranda. O jovem arquiteto é um homem cheio de sonhos e ousadia, muito querido por ter prestado em tão pouco tempo relevantes serviços à população como secretário de obras e serviços urbanos.

Mas…

Apesar dessas qualidades do candidato que já o credencia ele não alcançaria voos mais altos sem o apoio de seu Tio.  Foi preciso que Hélio caísse em campo, pois elementos como água e o azeite que não se podia misturar; hoje, porém, fazem juras de amor e fidelidade a quem tem a sagacidade da raposa para conciliar e vencer juntos.

Tudo isto, só foi possível por causa de um politico que durante sua vida pública sempre soube costurou apoios, ousou em alianças, uniu adversários ferrenhos, e protagonizou disputas acirradas em vários pleitos.

Para quem conhece o filho de Raimundo Nonato não foi surpresa nenhuma desta mudança no cenário da noite para o dia… Foi à força da Velha Raposa. Um animal inofensivo com poucas forças mais com uma vontade gigante.

A conversa é uma só, sem arrodeios. Hélio tem sentado e conversado com seus amigos e aliados, e tem dito, “A união faz a força e o diálogo faz o entendimento”.