Secretaria de Turismo de Guamaré pode está jogando a imprensa local na cova de leões famintos

A injustiça é algo difícil de aceitar, não é mesmo? Refiro-me ao trabalho incansável da imprensa local e regional, feito a muitas mãos nos últimos anos, tirando a cidade das páginas negativas, divulgando a verdade e mostrando o desenvolvimento do município, muitas vezes sem a necessidade do desembolso de um centavo dos cofres da prefeitura.

Mas pra quem não sabe, é bom saber que somos julgados e condenados, mesmo fazendo algo que julgamos ser o mais certo, mas que aos olhos de alguns que nos cercam, não é o mais correto. Em especial, para alguns secretários de governo, que insistem em aparecer primeiro do que a própria gestão que paga o seu salário.

Estes, não conseguem enxergar o nosso valor. Dê a César o que é de César, ao profeta da casa a sua honra, não será um favor, mas estarás praticando a justiça. Do contrário, continuaremos sendo desvalorizados e perseguidos nos bastidores por não rezar na cartilha que alguns escrevem e não compactuar com seu modus operandi, ficando de fora do time que sustenta o seu modus vivendi.

Agora pense meus amigos, numa imprensa local desmotivada e sufocada nos eventos promovidos pela prefeitura, através da secretaria de turismo, por câmaras fotográficas e filmadoras de outro mundo se batendo, jornalistas que nunca nem vi, para fazer a divulgação de eventos. Uma mídia que fica por trás do nosso muro, e isso nos bate uma tristeza enorme, porque comprovamos um gasto com publicidade que não condiz com nossa realidade.

O trabalho da imprensa local e regional me faz recordar a história de um homem que, mesmo sendo íntegro e não fazendo nada contrário às leis e aos bons costumes, foi condenado a morte, mas, neste caso, ao final a Justiça se cumpriu em sua vida. Porque quem mora e reside aqui tem valorizado a prata da casa, estes passaram a confiar e a dar crédito a imprensa local e regional… O povo! Quem é de fora, não sabe o valor da imprensa na divulgação dos fatos.

Pois bem…

A imprensa sempre tem desempenhado e continuará a desempenhar uma função social de extrema importância para uma cidade, pois constitui um elo muito estreito entre os cidadãos dessa comunidade através de notícias de caráter regional e local.

Estou convicto que nenhum Blog, nenhuma rádio e nenhuma TV de fora vai tirar esse mérito. Escrever é difundir ideias simples ou filosóficas e leva-las ao conhecimento dos cidadãos. Qualquer coisa que se lê, se guarda em recorte e se eterniza na memória, porque se pode reler e consultar.

Sempre opinei que a imprensa escrita local e regional é a mais autêntica, menos palavrosa, mais pé no chão e não enxerga só as cifras que correm nas contas bancárias. Essa imprensa que hoje alguns renegam e viram as costas, tem amor e afinidade com esta terra e com as pessoas que aqui convive.

A imprensa local mexe com os interesses dos trabalhadores, traz reivindicações dos moradores; dá-nos conhecimentos dos fatos da nossa terra e região, construindo uma imagem positiva de um gestor que pode colher resultados desse trabalho sério futuramente.

Em suma, a imprensa local continua muito mais humanizada, e queira ou não, contribui e muito para o desenvolvimento de uma cidade. Não menos diferente faz a imprensa estadual e nacional, mas quando esta chega sem interesses e atravessadores, tratando a notícia como notícia.

Confesso, meu amigos leitores, hoje eu tenho muito medo que essa conta aumente e a “fila dos miseráveis” fique à deriva, aplaudindo e divulgando o que temos de bom, sem sentar na mesa para o banquete que a secretaria de turismo vem preparando e servindo para muitos que não deram contribuição alguma a nossa terra boa, alguns destes, se soltar na BR 406 em Ceará-Mirim, são até capazes de ir bater na praia de Macau pra encontrar Guamaré no caminho da volta.

(Visited 258 times, 5 visits today)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.