sss-2
ferragens-pai-e-filhos
jm-variedades
redecon 2
Banner-Blog-Guamare-em-dia---1140x140px
Banner-Blog-Guamare-em-dia---1140x140px
Tubulação rompe e água potável é desperdiçada em Guamaré

Tubulação rompe e água potável é desperdiçada em Guamaré

Enquanto a população da comunidade de Baixa do Meio sofre com a falta d’água, no distrito de Mangue Seco I, muita água boa está sendo desperdiçada desde a última sexta-feira (27), em decorrência de um vazamento na adutora nos canos da CAERN.

Não é de hoje que é registrado no mesmo local vazamento semelhante, causando prejuízos irreparáveis a muitas famílias que precisam de água para sobreviver. Esse dilúvio foi registrado por nossas lentes na tarde deste domingo (29), é contínuo e revoltante para qualquer cidadão que tem sede, e quem tem sede, tem presa.

Ora, como justificar a obrigatoriedade da instalação de hidrômetros residenciais se, do lado de fora das nossas casas, a água vaza em abundância dos canos quebrados de uma empresa sucateada, falida e irresponsável, que ignora a três dias este desperdício de água potável?

Por que os responsáveis pela fiscalização, controle e manutenção do patrimônio público bem como os dirigentes da CAERN de Assú não respondem por CRIME de improbidade administrativa por omissão que culmina num grande prejuízo a um bem público?

A propósito, o portal e demais veículos de comunicação da cidade e região salineira, assim como os vereadores da Câmara Municipal, há tempo fazem reclamações, realizam audiências púbicas, fazem denúncias, apelam para solução às autoridades, e tentam combater tamanho desperdício, e a falta de abastecimento de água sem solução.

Em uma breve pesquisa feita pelo o blog, verificamos que a cada 100 litros de água captada, tratada e pronta para ser distribuída pela Caern. 50 litros ficam pelo caminho da adutora que distribui água para Macau e Guamaré.

A perda de água se dá principalmente por problemas de vazamentos como registrados hoje, além de ligações clandestinas que existem ao longo da extensão da adutora, falhas de leitura de hidrômetro, dentre outros. Enquanto isto, a população paga um preço que não se mede com a falta de água.

Nota do Blog: Oremos!!!