sss-2
ferragens-pai-e-filhos
jm-variedades
redecon 2
Banner-Blog-Guamare-em-dia---1140x140px
Banner-Blog-Guamare-em-dia---1140x140px
Votos “soltos” poderão fazer diferença na votação de deputado estadual em Guamaré.

Votos “soltos” poderão fazer diferença na votação de deputado estadual em Guamaré.

page

Com vários grupos políticos em plena atividade, as eleições para deputado estadual em 2010 foi uma das mais disputada em Guamaré.

Muito diferente do pleito atual. Estratificando os votos, baseado nas informações do TRE-RN, chagamos a votação dos candidatos a deputado estadual que tiveram o apoiou dos grupos políticos ou de lideranças políticas naquela eleição, e assim analisamos como foram distribuídos os 8.568 votos válidos em disputa no pleito de 2010.

Como foi em 2010

Com apoio do grupo político do ex-prefeito Auricélio, do qual o prefeito Hélio fazia parte, o deputado José Adécio terminou sendo o mais votado no pleito de 2010. José Adécio teve 2.922 votos (34,1%)

O deputado Ricardo Motta, apoiado pelo grupo liderado por João Pedro (in memoriam) e Mozaniel, obteve uma boa votação, 1.676 votos (19,56%).

José Câmara e seu grupo apoiaram para deputado estadual, Walter Alves. Waltinho teve 671 votos (7,83%).

Lauro Maia teve o apoio de um grupo formado por quatro vereadores: Lisete, Valdir, Gustavo e Miranda Junior. Com o apoio deles, Lauro Maia conseguiu nas urnas 530 votos (6,18%).

Poti Junior apoiado pelo o vereador Nildinho, consegui um bom resultado nas urnas, 225 votos (2,97%).

Já o PT conseguiu dar ao candidato José Júlio, atual prefeito de Antônio Martins, 138 votos (1,61%).

Juntos esses candidatos somaram 6.162 votos.

Outros candidatos bem votados, como Sérgio Rebouças (233 votos), George Soares (214) Antônio Jácome (123 votos), José Filho (104 votos), Fábio Dantas (89 votos), Valdir Trindade (54 votos) Gustavo Carvalho, (47 votos), Gilson Moura (47 votos) e Luiz Almir (46 votos) conseguiram juntos 957 votos. Esses candidatos não tiveram “explicitamente” o apoiou de nenhuma liderança ou grupo político da cidade.

Somando os votos dos candidatos com apoiou e os votados sem apoiou, o número chega a 7.119 do total dos votos válidos. O restante dos votos válidos foram “pulverizados” entre os candidatos que obtiveram menos de 40 votos. Juntos eles somaram 1.449 votos, que igual a 16,91%. Um percentual e tanto.

Os votos “pulverizados” dos candidatos, somando com os votos dos candidatos sem apoiou, somaram 2.406 votos (28,08%). Uma quantidade de votos muito alta que ficaram “soltos”. Isso significa que 28% dos eleitores de Guamaré não votaram em quem as suas lideranças pediram, ou então, são aqueles eleitores que não moram na cidade e já vem votar com a chapa pronta.

Conjuntura atual e a votação em 2010

Na conjuntura atual, exceto o grupo que apoiou Ricardo Mota, quase todas lideranças estão no grupo político do prefeito Hélio. Hélio e seu grupo apoia a reeleição do deputado Hermano Morais.

Levando em consideração os números da votação das eleições de 2010, e se, esses grupos repetissem a mesma votação em 05 de outubro de 2014, o deputado Hermano Morais, apoiado pelo grupo político do prefeito, somaria 4.250 votos. Se o grupo político de Mozaniel, que agora conta o vereador Gustavo, conseguir a mesma votação para Ricardo Mota, chegaria a 1.810 votos. Mesmo assim esse resultado seria de 6.060 votos, uma sobra de 2.508 votos de um total de 8.568 dos votos válidos de 2010.

Apesar de não contar com o mesmo apoiou das eleições passada, o deputado José Adécio contará com o apoiou do grupo do ex-vereador Hélder Câmara e com seu próprio potencial. Mesmo assim ficará imprevisível a sua votação. Dificilmente o deputado José Adécio repetirá a votação que alcançou no pleito de 2010. Mas, muitos apostam que JA terá uma boa votação.

Também será imprevisível a votação do candidato a deputado estadual Eraldo Paiva. Eraldo está sendo apoiado pelo o PT local. Afirmar que o PT terá o mesmo sucesso que teve nas eleições de 2010, só pode ser confirmado com abertura das urnas.

No entanto, o que está posto teoricamente e matematicamente é uma coisa.Nas urnas será outra coisa totalmente diferente, levando em consideração que cada eleição é uma eleição.

Mesmo assim, a sobra matemática de 2.508 votos, que teoricamente ficarão “soltos” e “pulverizados” entre outros candidatos que não estão sendo apoiados por ninguém no município, é um número considerável, uma verdadeira “mina” de votos. Essa “mina” deveria ser explorada por todos os grupos políticos e lideranças, nos últimos dias que restam para as eleições, com objetivo de aumentar a votação dos seus candidatos. Ainda há tempo!!

Fonte: Blog Ponto Critico

Ferragens Pai e Filho